Em Beja as palavras viajam

Partilhamos convosco a carta que nos chegou de Marina Colasanti 

Marina Colasanti

Beja-  No Alentejo, em Portugal, não chove nesta época do ano. Por isso estamos no Jardim Público da cidade, debaixo de uma quase tenda transparente erguida entre árvores a partir do teto do coreto, que se agita lenta na brisa dando-nos a impressão de estar debaixo de água, com o ritmado movimento das ondas acima de nossas cabeças. Sentados nesse espaço, a um só tempo símbolo e realidade, recebemos histórias. Pois em Beja, de dois em dois anos, no final de agosto, as palavras invadem as ruas. É o festival internacional de contadores de histórias ,”Palavras Andarilhas”.

Narradores vindos de distintos países fazem espetáculos individuais de uma hora de duração. Vejo à noite um contador que rema e narra no pequeno barco do laguinho, levando para outras distâncias os pequenos passageiros. São as História à Deriva. Há oficinas para Aprendizes do Contar, mesas redondas, apresentação de livros, exposições. Em um grande canteiro foram deitados livros abertos que as pessoas poderão colher e levar no último dia. E cada noite, quando a contação é gratuita, a cidade vem com suas crianças assistem encantadas.

 As palavras se expandem em Beja, há cada vez mais gente para recolhê-las. Este ano foram 400 os andarilhos inscritos. Professores, bibliotecários, atores, pesquisadores, músicos, cineastas, pedagogos, vieram de várias partes do mundo atraídos por esse evento que emerge da Biblioteca Pública Municipal.

Misterioso é o fascínio do ato de contar. Cada um o faz a seu modo, e a mesma história contada por duas vozes diferentes, por dois distintos movimentos corporais, se transforma em duas histórias. Em outros festivais de narração vi narradores utilizando recursos cênicos, figurinos especiais, objetos pertinentes à história. Em Beja, não. Todos contaram transfigurados apenas pela voz, no máximo acompanhando-se com um instrumento. Um toca concertina, outra canta, outro bate um tambor, um violão anuncia voz de lobo, ouve-se inesperado o som de uma caixinha de música. E as palavras se desdobram para formar o encantamento de uma história.

Beja é cenário especialmente propício para isso. Cidade antiquíssima, erguida num sobrepor-se de sete cidades, coroada por um castelo, é famosa hoje, sobretudo, por uma comovedora história de amor. Em Beja sofreu o coração da freira Mariana Alcoforado. O convento onde ela viveu está lá, está lá a janela da cela de onde viu o objeto da sua paixão montado a cavalo como um príncipe de contos de fadas, o nobre francês Chamilly. Visita-se como qualquer museu. Mas o que os turistas procuram não é a beleza do claustro revestido de azulejos, nem a capela de teto afrescado. É o pecaminoso palpitar da freira, o ardor da paixão que Mariana deixou registrado nas cartas endereçadas ao amado, as hoje famosas Cartas Portuguesas.

E porque, ao escrever , cruzei instintivamente Palavras Andarilhas com cartas de Mariana, ofereço a Cristina Taquelin, apaixonada criadora e organizadora desse festival, a ideia que acaba de me ocorrer: criar na próxima programação um espaço narrativo dedicado exclusivamente a contos de amor. Há tantos, e tão bonitos, da tradição e da modernidade, e sequer precisamos sair do contato com as crianças,  pois elas bem sabem a que devem a vida.

Anúncios

One thought on “Em Beja as palavras viajam

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s